Monday, September 3, 2012

Vingança em Pernambuco - 1843


Neste primeiro semestre de 2012 estreiou nos Estados Unidos a mini-série “Hatfield & McCoys  - Nunca Perdoe, Nunca Esqueça”1 que conta a saga de duas famílias e a rivalidade que entre elas cresceu após a Guerra Civil americana, em fins do século XIX. Kevin Costner e Bill Paxton são os respectivos patriarcas das famílias Hatfield and McCoy nesta mini-série de três capítulos.

Fazendo genealogia já há alguns anos sempre me surpreendi aqui e ali com alguns fatos na história de minha família, mas o que irei contar abaixo foi de todos o que mais se destacou e que não deixa de ser um paralelo com a história  das duas famílias acima e o espírito de vingança que foi suscitado através das animosidades entre membros das duas famílias.

Toda a informação que você irá ler abaixo é baseada em pesquisa que venho fazendo em livros e jornais da época, em meu tempo livre. Ë somente uma breve descrição do que aconteceu entre os anos de 1842/1843  e culminou com o assassinato de Antonio Francisco do Rego Barros, meu tataravô, dono do Engenho Genipapo, situado em Rio Formoso, Pernambuco, Brasil.

“Olho por olho” era uma expressão comum e muitas vezes “lei” paralela à lei oficial no Brasil do século XIX. Vendeta e coronelismo era parte do dia a dia de muitas famílias no nordeste brasileiro. Onde existia a atividade rural, exercida em largas propriedades de terra,  nos nossos tão característicos “engenhos”, também existia esta prática política. Em 1840 muitas famílias viviam sob constante perigo, minha família era uma delas.

Minha descrição tem o intento de somente ser informativa, ao lada da genealogia, já que o lado paterno de minha família estava envolvida nesta trama. Para compreender mais profundamente o ocorrido no Engenho Genipapo preciso ir além na minha pesquisa e trazer a luz novas informações.

O Professor de História da Tech Texas University, J. Mosher, em seu livro Political Struggle, Ideology and State Building2, descreve a situação política da Província de Pernambuco entre os anos de 1815 e 1850 e, resumidamente, o assassinato de alguns membros de minha família, entre eles o de meu tataravô Antonio Francisco do Rego Barros, no Engenho Genipapo. Eu também tive oportunidade de ler um dos jornais da época, o Diário Novo, o qual descreve o assassinato extensivamente, em várias de suas edições, além de outros crimes que assolavam aquela Província na época.


13 January 1843


Tudo começou com a morte do tenente-coronel Pedro Cavalcanti Uchoa, adjunto da polícia local de Rio Formoso, nas matas do Engenho Genipapo, em 16 julho de 1842.3 Prontamente veio a reação àquele incidente com ataques a propriedade do Engenho acima. Este fato deu inicio a uma série de outros.

Antonio Francisco viajou da capital da Provícia para o Ceará em busca de proteção e enquanto lá estava, além dos ataques a sua propriedade onde teve suas plantações queimadas, dois de seus sobrinhos foram mortos e outro ferido como podemos ver abaixo nas palavras do Deputado Nunes Machado, em sessão de 25 de Janeiro de 1843, na Câmara dos Deputados:

“...é agredida segunda vez a sua propriedade, o seu engenho é saqueado, a sua casa de vivenda do mesmo modo, e ai a pretexto de correr as casas, por presumções de existencia de armamento, teve esta diligencia em resultado (diligencia sempre apadrinhada com as cores de autoridade publica) serem assassinados dois individuos em presença da senhora de Antonio Francisco , individuos pertencentes á sua familia, um sobrinho e um cunhado, escapando uma terceira victima toda baleada...”4

Em 2 de Janeiro de 1843, Antonio Francisco decidiu voltar para Pernambuco com um grupo armado. Sua mulher, Maria Marroquina de Jesus Nazareno estava grávida e pronta para dar à luz, este seria o décimo filho do casal. As animosidades só vieram a crescer no Rio Formoso com a sua volta.

Em  7 de Janeiro de 1843,  dois dias após o nascimento do bebê, o Engenho Genipapo acordou sabendo que aquele não seria um dia como os outros e suas vidas viriam se transformar para sempre. O engenho ficou sitiado por mais de 12 horas pelo delegado suplente de Rio Formoso, sua tropa e inimigos de Antonio Francisco, ao todo em torno de 200 homensaté o trágico desfecho que se formou naquelas terras.

O 10. Comandante da Polícia, Miguel Afonso Ferreira, enviado pela capital da Provícia de Pernambuco, chegou pouco depois do crime e foi incapaz de fazer qualquer coisa, mas somente tentar ajudar a viúva e os filhos que pediam proteção do Governo.

Em relato do dia 11 de Janeiro ao Presidente da Província, o Barão da Boa Vista, o Comandante Miguel Afonso descreve o que encontrou:

Quando entrei na cada de vivendo do engenho Genipapo achei o cadaver do finado Rego Barros (já tinha sido informado da sua morte) no assoalho, coberto com um lençol, tendo a seus pés sua infeliz mulher, que de joelhos pedia a proteção do governo. Tão lastimoso era o seu estado, e tão pungente era a sua dor e a de seus filhos, que fizerao todos banhar-se em lágrimas; e nada puderam naquela ocasião informar, senao que as fechaduras das portas tinham sido arrancadas por ordem do delegado, e a porta do quarto da casa de vivenda, em que estava o infeliz Rego Barros, tinha sido arrombada a machado pelos assassinos. É isso o que tenho a honra de levar ao conhecimento de V. Ex.”5

 Minha tataravó, Maria Marroquina,  mulher de Antonio Francisco, se mudou para a Província da Paraíba com todos os filhos, vendendo depois o Engenho Genipapo para a família.....


Escritura de venda do Engenho Genipapo


Dois dos filhos de Antonio Francisco e Maria Marroquina do Rego Barros, são meus trisavós. Eram eles Claudino do Rego Barros e Maria das Merces. Claudino se casou com Josepha Antonieta Vasconcellos, filha de José Teixeira de Vasconcellos, Barão de Maraú. Maria das Merces se casou com Antonio Ferreira Balthar. Seus filhos, primos irmãos e meus bisavós Amalia do Rego Barros, filha de Claudino e Josepha, e Antonio Ferreira Balthar Filho, filho de Antonio e Maria das Merces, se cararam em 18 de Abril de 1880, no Engenho Munguengue, na Paraíba.


Claudino do Rego Barros, filho de Antonio Francisco


Antonio Ferreira Balthar Filho, meu bisavô, estudou na primeira Faculdade de Direito do Brasil, se tornando advogado, Chefe de Polícia e Desembargador, na Paraíba. Desde então tudo ficou em paz e agora faz parte da história.


Desembargador Antonio Ferreira Baltar


P.S. Quero agradecer, especialmente, a meu primo e genealogista Adauto Ramos pelas fotos de minha família como também nomes e datas na minha família paterna; e a Fabio Arruda, genealogista, pesquisador de famílias brasileiras e engenhos do Nordeste do Brasil, o qual me forneceu precisa localização do Engenho Genipapo e escritura das mesmas terras. Ambos são membros do Colegio Brasileiro de Genealogia - http://www.cbg.org.br/


  1. "Hatfieds and McCoys"
  2.  Jeffrey Mosher
  3.  Newspaper research in Brazil - http://myportuguesegen.blogspot.com/2012/06/newspaper-research-in-brazil.html 
  4. Anais da Câmara dos Deputados, 1843. Vol. II, Parte I. Google Books
  5. Relatorio de todos os fatos ocorridos no engenho Genipapo desde o dia 5 até o dia 7 de Janeiro de 1843. Anais da Câmara dos Deputados, 1843. Vol II, Parte I. Google Books.

  •          Mosher, Jeffrey C. Political Struggle, Ideology and State Building – Pernambuco and the Construction of Brazil, 1817 – 1850. University of Nebraska Press. 2008. 
  •       History Magazine, May/June 2012
  •       Diario Novo. 1 Agosto 1842, 13 Janeiro 1843, 18 Janeiro 1843. Biblioteca Nacional Digital
  •      Arquivo Público do Estado de Pernambuco - Registro de Terras Publicas - 1858,1859 - Vol.5.  Rua Imper Dom Pedro II, 371 - Santo Antônio  Recife - PE, 50010-240, Brazil -tel:81 3224-0620